Napa Valley, as menores são as melhores

Posted in Americanos with tags , , , , , on 10/11/2013 by André Muricy

O Napa Valley, na Califórnia, é um lugar mágico para quem gosta de vinho. Onde quer que você olhe, tem uma vinícola interessante e cheia de sabores desconhecidos. Se for um passeio de um dia só, é melhor antes dar uma parada na cidade de Napa e definir quais empresas você quer conhecer. Eles têm um centro de informações bem organizado e gerenciado por voluntários, velhinhos muito simpáticos.

Maquete de todas as vinícolas do Napa Valley

Maquete de todas as vinícolas do Napa Valley

Voluntários explicam tudo que você precisa saber sobre o vale

Voluntários explicam tudo que você precisa saber sobre o vale

A melhor dica é perguntar por uma vinícola não muito famosa. Foi assim que conhecemos a Sequoia Grove. Protegida por árvores gigantescas, o lugar é simples, mas ofereceu um excelente atendimento e ótimos vinhos. Lá provamos um delicioso Chardonnay, pois o dia estava lindo e quente.

Grandes sequoias dão as boas-vindas aos visitantes

Grandes sequoias dão as boas-vindas aos visitantes

Sequoia Grove Winery Tasting Room

Sequoia Grove Winery Tasting Room

Delicioso Chardonnay refrescou a manhã (eu não estava dirigindo)

Delicioso Chardonnay refrescou a manhã (eu não estava dirigindo)

Agradável também foi passar alguns momentos no jardim da vinícola comparando diferentes tipos de vinho, porque os preços estavam coerentes com uma degustação.

Jardins da Sequoia são um convite à contemplação

Jardins da Sequoia são um convite à contemplação

Detalhe do aconchegante jardim

Detalhe do aconchegante jardim

Energia das árvores é poderosa

Energia das árvores é poderosa

Um lugar para voltar

Um lugar para voltar

E o céu ficou verde

E o céu ficou verde

Nas outras vinícolas grandes e famosas, como a Grgich Hills Estate e a Opus One, o passeio não foi tão legal. Elas já viraram pontos turísticos famosos e a sensação foi de que eles só queriam nosso dinheiro e empurrar taças de vinho por U$ 30,00. Achamos a estratégia meio forçada e um pouco descuidada.

A natureza é bem cuidada e harmoniza com o clima do lugar

A natureza é bem cuidada e harmoniza com o clima do lugar

Entrada da famosa Grgich Hills Estate

Entrada da famosa Grgich Hills Estate

Fonte pede uma foto

Fonte pede uma foto

Contudo, o Napa Valley é uma região cheia de surpresas interessantes e lugar de produção dos melhores vinhos da atualidade. Certamente, voltaremos com mais tempo para desvendar todos os mistérios dessa encantadora terra com mais de 150 vinícolas.

Barris estão por todos os lados e atiçam a imaginação

Barris estão por todos os lados e atiçam a imaginação

Napa Valley pede uns cinco dias para uma grande aventura vinícola

Napa Valley pede uns cinco dias para uma grande aventura vinícola

Anúncios

Jovem, elegante e com um futuro promissor: Veramonte

Posted in Chilenos with tags , , , , , , , on 07/04/2013 by André Muricy

Preparado sob influência direta do Oceano Pacífico, o Veramonte apresenta um equilíbrio perfeito das uvas Merlot, Cabernet Sauvignon e Chardonnay com o microclima da região da Cordilheira da Costa chilena. São vinhos jovens, com frescor e amadurecidos em tanques de inox, o que os deixa com personalidade e o sabor delicado. Até mesmo os tintos combinam com carnes brancas, peixes de sabor mais forte e certos mariscos. Além disso tudo, o preço é outro atrativo: apenas R$ 25,00. Ou seja, são vinhos compatíveis com o dia a dia ou para receber os amigos em encontros aconchegantes, onde são servidas inúmeras garrafas e ninguém fica de ressaca. Se quiser guardar vinhos mais caros para ocasiões especiais, é só comprar o Veramonte e ser feliz.

20130407-174253.jpg

20130407-174310.jpg

Emiliana: além de vinhos orgânicos, biodinâmicos

Posted in Chilenos, Vinhos brancos, Vinhos intensos with tags , , , , , , , , , , , on 09/03/2013 by André Muricy
IMG_4176

Ambiente rústico não esconde bucolismo do lugar

Fundada em 1986, a Emiliana foi a primeira vinícola do Chile a conseguir a certificação ambiental 14001.

Fundada em 1986, a Emiliana foi a primeira vinícola do Chile a conseguir a certificação ambiental 14001

A agricultura orgânica não é uma novidade. Plantar, colher e produzir  apenas com ingredientes naturais, sem o uso de aditivos químicos, é uma tendência que tem conquistado muitos consumidores, preocupados em manter uma alimentação saudável. Além dessa filosofia, a Vinícola Emiliana também utiliza critérios biodinâmicos. Ou seja, durante a produção de seus vinhos e azeites, obedece a um rigoroso calendário baseado no equilíbrio do sol, da lua e dos planetas.

É, existe isso mesmo. Os produtores acreditam que o ciclo magnético interfere na fertilidade do solo e, consequentemente, na qualidade dos vinhos. Essa teoria, criada pelo filósofo austro-húngaro Rudolf Steiner (1861-1925), considera a Terra um ser vivo e que possui nutrientes naturais,  capazes de oferecer exatamente o que a planta precisa.

A limpidez dos vinhos brancos já revela o agradável sabor nos aguarda

A limpidez dos vinhos brancos já revela o agradável sabor que nos aguarda

Se para se fazer um bom vinho é necessário seguir regras e muita pesquisa, na chilena Emiliana, eles se superam na forma sustentável de produção, pois usam energia alternativa, reciclam os resíduos sólidos e líquidos, as garrafas levam 14% a menos de vidro e ainda neutralizam o carbono. O resultado de tanta preocupação com a qualidade não poderia ser outro: vinhos cheios de vida e personalidade. Critérios e teorias à parte, o bom mesmo foi que provamos quatro rótulos e pudemos comparar sabores e cheiros.

100% Sauvignon Blanc, Safra 2011 e uma leveza que impressiona e agrada

Vinho Novas 100% Sauvignon Blanc, Safra 2011 e uma leveza que impressiona e agrada. Lembrou frutas cítricas com um toque suave de pimenta branca

Suavidade e equilíbro imperam nessa vinho que  tem aroma elegante de damasco e notas suaves de jasmim

Signos de Origem: suavidade e equilíbrio imperam nesse vinho que tem aroma elegante de damasco e notas distantes de jasmim

Mais robusto com com forte evidência dos taninos, resultado da mistura das castas Syrah 38%, Carménère 27%, Merlot 21%, Cabernet Sauvignon 12%,  Mourvedre 1% e  Petit Verdot 1%

Coyam: mais robusto e com forte evidência dos taninos. Resultado da mistura das castas Syrah 38%, Carménère 27%, Merlot 21%, Cabernet Sauvignon 12%, Mourvedre 1% e Petit Verdot 1%

O Novas tinto mistura a Carménère com a Cabernet Sauvignon e lembra frutas maduras com um leve toque de pimenta doce

Novas: tinto caprichado que mistura a Carménère com a Cabernet Sauvignon e lembra frutas maduras com um leve toque de pimenta doce

Um francês jovem, elegante e com um ótimo preço

Posted in Franceses with tags , , , , , , on 07/10/2012 by André Muricy

Para quem gosta de um vinho elegante, frutado e com boa estrutura, o francês Les Hauts de Janeil 2010 é uma boa escolha. Por ser jovem, ele se apresenta um pouco diferente no início, mas depois de alguns poucos minutos na taça ele se transforma num vinho leve e mostra personalidade com a mistura das uvas Syrah e Grenache. A segunda vem equilibrar a acidez da primeira e elimina tanto o gosto forte de madeira, quanto a força dos taninos que gostam de deixar a boca seca. Ao custo de R$ 45,00 e com 13,5% de álcool, este tinto é produzido nos vinhedos da François Lurton é bom para acompanhar carnes de textura macia e legumes refogados.

20121007-073923.jpg

Ímpetu, um ótimo vinho para qualquer ocasião

Posted in Chilenos with tags , , , , on 07/09/2012 by André Muricy

O rótulo atrai pela simplicidade, clareza e força. Porém, ao contrário do que ele transparece, o Ímpetu é um vinho de sabor tranquilo e extremamente agradável. Esse chileno é uma rara exceção à regra de que vinho barato nào é bom. Ao custo de apenas R$ 27,00, ele não é tanitoso (àqueles vinhos que deixam a boca seca e são meio amargosos – os enólogos odeiam essa palavra, mas eu nem ligo. Acho que desse jeito todos entendem. E adoro falar isso na frente deles só pra ver os olhares pedantes de censura). A turma do Valle Central acertou em cheio no tratamento da uva Cabernet Sauvignon, que deixou o teor alcoólico em 13,5%. O Ímpetu é daqueles que servem para o cotidiano, mas que manda bem em ocasiões especiais. Ao encontrá-lo compre muitas garrafas (e mande uma para mim, pois não o encontrei em Maceió, mas no Recife).

Ímpetu é agradável e bom para tomar muitas garrafas com os amigos

Terra a terra tem estrutura e personalidade

Posted in Portugueses with tags , , , on 05/08/2012 by André Muricy

Na dúvida, escolha um português da região do Douro. Claro que existem vinhos bons em toda parte, mas se a grana for curta e você tiver que dar um tiro certeiro, melhor optar por um portuga. Um ótimo exemplar é o Terra a terra reserva. Mesmo após passar 15 meses em carvalho, ele incorpora com suavidade os aspectos da madeira. Tem um sabor elegante e é bem frutado. Ao preço de R$ 67,00, com 13,5% de álcool e um rótulo encantador, esse vinho traz em seus taninos a tradição e a personalidade das terras do velho mundo.

20120805-101320.jpg

Passa seduz os olhos e fica

Posted in Portugueses with tags , , , , , on 05/08/2012 by André Muricy

Talvez menos pelo baixo consumo de vinho no Brasil, 1,9 per capita, e mais pelas altas taxas de importação, o certo é que a variedade de rótulos por aqui ainda é pequena. Por isso, quando aparece um nome diferente o jeito é arriscar com seus próprios critérios. Nessa brincadeira o rótulo é um bom sinal. Foi o que aconteceu com o delicado vinho Passa, um português da região do Douro. Com 13,5% de teor alcoólico e feito com as uvas Touriga Franca, Tinta Roriz e Touriga Nacional, ele tem um aroma agradável e proporciona uma sensação aveludada no paladar. Ao custo de R$ 69,00, ele fica como uma ótima lembrança.

20120805-093728.jpg